1970 -1995 AÇOUGUE DO FÁBIO

24,09,1991- Isidoro Maçaneiro e Saulo Cadorin, açougueiros do açougue do Fabio exibindo um boi que depois de abatido pesou 34,5 arroubas.( O boi pertencia ao sr… Capraro, do bairro Vígolo. Bois como este eram usados em serviços agrícolas e quando velhos eram vendidos aos açougues)
A foto registra o prédio onde funcionou o açougue do Sr. Fábio Raulino, casado com Albertina Darós, localizado na rua João Bayer Sobrinho. O açougue marcou uma época em que se comprava carne bovina e suína em abatedouros – açougues- onde os animais eram abatidos nas primeiras horas da manhã e depois de esquartejados eram comercializados no balcão na parte da frente. Sr Fábio foi o último açougueiro a manter este tipo de de comércio.(Antes dele e contemporâneos a ele também havia o açougue do do Angelim Dalri, no Salto e do Érico Corsi, na subida do Moro da Cruz. O sr. Aprígio Botamelli, esporadicamente também comercializava carne ,de porta em porta de animais que abatia em casa). Importante lembrar que neste período o regramento sanitário para o abate e comercialização de carne ainda eram incipientes o que não impedia dos açougueiros de exercer sua profissão com responsabilidade zelando pela higiene possível para os padrões daquele tempo. Fábio era o açougueiro proprietário e responsável por uma equipe de profissionais como Isidoro Maçaneiro, Saulo Cadorin, Leodelides (Lidi) Michelli, Nestor Raulino, … Orsi(Zorro).
Foto realizada em nos idos dos anos dois mil quando o local já estava fechado. O ambiente era onde acontecia os abates era todo pintado de branco e uma calha com água corrente ajudava a higienizar o espaço e evitar a propagação de insetos como moscas. Ao lado do abatedouro fica a mangueira onde os animais a serem abatidos ficavam aguardando sua vez! O açougue do Fábio era também um espaço onde as crianças iam presenciar o fadigoso trabalho dos açougueiros.. Quando o boi fugia era uma festa!

Fotos cedidas por Saulo Cadorin. Postagem e comentários: Jonas Cadorin

1994 – IRINEU CASALI E ROSELI DALRI CASALI

DESFILE DA FESTA INCANTO TRENTINO NA SEMANA DE 8 DE AGOSTO DE 1994. NA FOTO O CASAL, SEMPRE ATUANTE NA COMUNIDADE, ROSELI DALRI E IRINEU CASALI( IN MEMORIAM), NA ÉPOCA PRESIDENTE DO LIONS CLUBE DE NOVA TRENTO. A titulo de homenagem ao saudoso Irineu transcrevo as palavras do padre Inácio Spohr: “18.10.1973 – Realizou-se, na matriz, a semana Juvenil(10 a 14 anos), sendo responsável o casal Irineu e Roseli Casali. O programa constou de jogos, torneios, palestras, gincanas, .Recolheram muitas esmolas para o Natal dos pobres.”(Historias das casas dos Jesuitas, p. 162.220). Lembro de ter participado do evento e a figura dinâmica do sr. Irineu permanece na minha memória.

Fonte e Postagem: Arquivo Pessoal Jonas Cadorin

1974 -FUNDAÇÃO DO CORAL SÃO VIRGÍLIO

O coral foi fundado elo irmão jesuíta Guido Lawisch no ano de 1974. A foto acima é do dia 26.10.1975 quando o coral se apresentou na missa da TV Difusora de Porto Alegre e no santuário do Sagrado Coração de Jesus em São leopoldo.
23.05.1976 -Coral são Virgilio se apresentou na capela de Boa Vista, Santa Cruz do Sul, por ocasião dos votos perpétuos do Ir Guido.
23.05.1976 – Ir. Guido com sua mãe e irmã. Além dos coralistas se fizeram presentes o prefeito Eurides Battisti e o padre vigario Otmar

Colaboração: album de família da Srª Lauda Cadorin Sartori. Postagem: Jonas Cadorin

FUNERAIS DE ANA DALRI -1945

A foto retrata o funeral de Ana Dalri, nascida aos 19 de setembro de 1874 (no Tirol/trentino).Solteira Morava num cômodo contíguo á casa de seu irmão Francisco Dalri, no início do bairro Baixo Salto. Aos dezessete anos sofreu um acidente doméstico, uma lesão no rosto, numa das faces. A lesão evoluiu para um carcinoma (um dos tipos de câncer de pele) que lhe consumiu lentamente o rosto. Na época a medicina pouco sabia a respeito da doença e até mesmo analgésicos eram pouco potentes para doenças graves. Os relatos da irmã Rosa Dalri, sua sobrinha, em entrevista a Lorena Polli, informou que seu rosto ficava sempre coberto com tecidos leves para esconder e proteger os danos que produzidos pela doença a ponto de a mandíbula ficar exposta. Segundo ela , mesmo padecendo de dores lancinantes nunca se ouviu um único lamento. A câncer evoluiu com metástase. Ficou cega. No final da de uma vida de dores faleceu aos 71 anos de idade com fama de santidade. Seu funeral movimentou a cidade. Na foto seu caixão branco(em geral eram pretos), faz alusão ao martírio a que foi submetida. Na lápide de sua sepultura está esculpida a palma das mártires virgens cristãs está entalhada no mármore. Ao fundo o estandarte da congregação Mariana. O caixão está sendo carregado pelas Filhas de Maria com seu uniforme branco. Algumas delas levam flores , velas e rosário nas mãos. O padre Liduvino Santino tem nas mão o livro das exéquias. O cortejo fúnebre está saindo da igreja matriz que ainda exibe suas antigas portas de madeira entalhada. No canto inferior esquerdo da foto aparece uma caixa de repique e a baqueta o que nos leva a crer que o cortejo foi acompanhado pela banda padre Sabatini com suas marchas fúnebres.
O túmulo de Ana Dalri tornou-se local de visitação e vários são os ex-votos colocados ali fazendo menção a graças recebidas.A jornalista Lorena Poli escreveu um livro sobre os santos de cemitério de Nova Trento intitulado Gracia Ricevuta(ainda não publicado). Se você que nos segue tiver alguma graça ou depoimento que possa enriquecer a pesquisa sobre Ana Dalri, por gentileza pode comentar no post ou enviar email jonascadorin@gmail.com.

Foto Fúnebre: album de familia de Terezinha Natalina Dalri. Foto da lápide: Lorena Poli. Informações coletadas do livro Gracia Ricevuta. Síntese e postagem: Jonas Cadorin

Professora de Educação Física

Dona Dorothéa Dalri Franzoi Professora de Educação Física, quando foi lecionar em Tigipió em São João Batista no ano de 1952, mas retornou a Nova Trento no ano posterior.

Colaboração: Selma Franzoi