1964 – OS METRALHAS

Da esquerda para a direita : O saudoso Isaías Tomasi, Antonio Gullini, Célio Valle, Sálvio Osmar Tonini, o saudoso Antonio Tomasi (Toninho), Inácio Marchi, e o saudoso Julcemar Guedes.

Crianças : algumas das crianças da esquerda para a direita : O saudoso Ari Antonio Bottamedi com a mão na orelha, Gilson Ceccato que aparece somente parte do rosto, Ademar Maçaneiro (Maninho, ao centro de camisa estampada), Ilson Assis Valle (Chico), Salvador Afonso Sgrott e Cesar Augusto Dell’Antonio.

O Sr de chapéu que está na janela observando as crianças dançarem é o saudoso Sr. João Gessele (Joanin) e o personagem que aparece num quadro moldurado é o saudoso Sr. Ador Dalbosco, que foi um dos presidentes da Sociedade Recreativa Humaitá – S.R.H

Na época da Jovem Guarda quando começaram a surgir inúmeros conjuntos musicais pelo Brasil afora, a cidade de Nova Trento – SC., também tinha os seus conjuntos musicais destacando-se entre eles Os Metralhas e depois Os Batuskelas formado por jovens neotrentinos. Esses conjuntos animavam os bailes nos sábados à noite, as tardes dançantes de domingo e na época do carnaval os bailes carnavalescos na Sociedade Recreativa Humaitá e Sociedade Recreativa Primavera.

Na fotografia vemos o Conjunto musical Os Metralhas animando o carnaval infantil do ano de 1964, nas dependências da sede social da Sociedade Recreativa Humaitá – S.R.H. – Nova Trento – SC.

da esquerda para a direita : O saudoso Isaías Tomasi, Antonio Gullini, Célio Valle, Sálvio Osmar Tonini, o saudoso Antonio Tomasi (Toninho), Inácio Marchi, e o saudoso Julcemar Guedes.

CRIANÇAS : Identificando alguma das crianças da esquerda para a direita : O saudoso Ari Antonio Bottamedi com a mão na orelha, Gilson Ceccato que aparece somente parte do rosto, Ademar Maçaneiro (Maninho), Ilson Assis Valle (Chico), Salvador Afonso Sgrott e Cesar Augusto Dell’Antonio.

O Sr de chapéu que está na janela observando as crianças dançarem é o saudoso Sr. João Gessele (Joanin) e o personagem que aparece num quadro moldurado é o saudoso Sr. Ador Dalbosco, que foi um dos presidentes da Sociedade Recreativa Humaitá – S.R.H

Fonte:Godofredo L. Tonini (in perfil Facebook) Postagem Jonas Cadorin

ANGELA MURARA – CENTENÁRIO – 1975

Angela Murara, de Rio dos Cedros, desfila em carro aberto no desfile dos centenário de imigração italiana(Tiroleza/Trentina). Na época um cartaz com representantes de Nova Trento, Rodeio e Rio dos Cedros foi publicado para marcar o evento no Brasil e no exterior
Clarice Ruberti com o menino, Denis Dell’Antonia, …e Angela Murara

Postagem Jonas Cadorin(arquivo pessoal)

ALUNOS e PROFESSORES – DISTRITO AGUTI – 1966

2019-09-10 10.05.37

Ao contrário do que a foto possa sugerir, uma escola de alunos carentes, a imagem retrata, sim,  uma escola multisseriada, de madeira, de uma comunidade rural onde uma das preocupações dos pais era a educação escolar dos filhos. Por simples que fossem, todos vinham uniformizados. Uniformes costurados pelas próprias mães. Professoras e professores abnegados que enfrentavam o desafio diário de alfabetizar e ensinar em língua portuguesa quando no dia  a dia as crianças conviviam com o dialeto alemão falado em suas residências por pais e avós.  Hoje todos cidadãos de bem. Lição de casa cumprida!

“Registro fotográfico realizado no ano de 1966 dos alunos (as) que frequentavam a Escola do Distrito de Aguti no município de Nova Trento SC.
O Professor a direita da foto é o saudoso Sr. Albino Muller, e a Professora a esquerda da foto é a Sra Lodis Dell’ Antonia Mistura, pessoas do bem foram muito dedicados ao aprendizado dessas crianças.
Relação de alunas que foi possível identificar :
Sonia Muller, Silvia Muller, desconhecida, Marice Vanelli, Miriam Vanelli, Tereza Wilbert, Maria Pering, Salete Reuter, Maria Reuter, Evanilde Sborz, Elizete Sborz, Marli Sborz, Arlinda Meyer, Anita Irene Meyer, Filomena Mistura, Odete Pereira, Gloria Mayer, Catarina Coelho, Solange Muller, Célia Pering e Maria Helena Muller.
Relação dos alunos que foi possível identificar: Odair Vanelli, Silvério Pering, João Pering, Inácio Pering, José Nildo Pering, Henrique Pereira, Valdir Pering, Oscar Pering, Antônio Reuter, Tarcisio Schimidt, Valdir Sborz e Venício Sborz.
Observação: quem não foi relacionado por favor identifique-se para ver se conseguimos identificar todos.” Pode comunicar-se conosco enviando seu comentário no “balão” que aparece no lado superior direito desta postagem.

Fotografia enviada pela neotrentina, Sueli Sborz Baggio, residente em Blumenau, nascida no Distrito de Aguti, postada por Godofredo L. Tonini em sua página do Facebook em 09.09.19

Postagem: Jonas Cadorin

JOGO DE MORA – BAIRRO TRINTA RÉIS – 1950

2019-06-17 09.54.45

Da esquerda para a direita na frente, com a mão enfaixada os Sr. Vicente Ceccato, Aprígio Bottamedi, Alcides Dell’Antonio, desconhecido, o  Sr. usando chapéu desconhecido, e os saudosos Srs. Giácomo Migliorini (Giacomin) e Virgílio Eccel.Atrás, Sr.desconhecido, o outro Sr. possivelmente membro da família Battisti. Registro fotográfico de jogo de mora ocorrido durante os festejos do padroeiro do Bairro Trinta Réis – Nova Trento – SC., São João Batista (São Joanin), na década de 1950. Geralmente no final das festas ocorria esse jogo, os jogadores sempre bem animados e ainda sempre bem vestidos eram uma atração à parte.                                                                                        “O jogo da mora, ou apenas mora, é uma tradição com origem na região italiana do Vêneto e levada para o Brasil pelos imigrantes. A palavra significa “morra!”.
O jogo tradicionalmente é realizado em língua vêneta ou talian e se resume em acertar o número do conjunto de dedos da mão que os contendores sucessivamente apresentam sobre uma mesa, batendo os dedos sobre ela.
A dificuldade é a rapidez com que isso se desenvolve, o que gera sempre um grande entusiasmo em todos que se traduz em exclamações e impropérios em alta voz.
Os jogadores vão apresentando os dedos e gritando os números supostos até um deles acertar a soma. Se um jogador acerta o número deve acusá-lo dizendo mora, senão o ponto não é marcado e o adversário prossegue.
Se mais de um acerta, também não se marca ponto. Se os jogadores são experientes o jogo pode se tornar violento e causar ferimentos nos dedos, pela força e velocidade empregadas e pela sucessão de inúmeras batidas.
O jogo exige grande agilidade manual, reflexos apurados e grande atenção e vivacidade mental, entre o veloz movimento dos dedos e a incessante pronúncia dos números. A pontuação necessária para a vitória é convencionada previamente, variando de 12 a 21 pontos. Pode haver um ou dois juízes, e disputado individualmente ou em parcerias.” Fonte :www.wikipedia.com.br  Foto e comentários, Godofredo L. Tonini . Postagem : Jonas Cadorin

 

Primavera x Humaitá

 

Da esquerda para direita:

Em cima: Valdir Piazza, Acis Cadorin, XXX Cecato, Altair Piazza, Roberto Vale, desconhecido, desconhecido, desconhecido, Miracir Vale, desconhecido, Godofredo Tonini, Cao Marchi, Maurilo Mazzola, Lola Dalbosco e Walter Feller.
Em baixo: Tarcizio Lorenzeti, Osmar Fachini, Otto Orsi, Gilberto Ruberti, Pedro Barauna, Oscar L. Sgrott, José Batisti Archer, João Luiz Orsi, Walter Dalbosco, Clides Michelli e Dico Dellantonia.

Colaboração: Oscar Lino Sgrott

Casamento de Valério Cadorin (Lélo) e Catarina.

44106496_510658579403851_4281175236889542656_o

“CASAMENTO A MODA ANTIGA – NOVA TRENTO
Registro fotográfico do casamento do meu saudoso amigo Valério Cadorin (Lélo), e de sua esposa Catarina.
Antigamente os convidados dos casamentos geralmente eram os vizinhos mais próximos, e os parentes dos noivos.
A decoração em sua maioria consistia em enfeites com pés de palmitos, nos quais se dependuravam pequenos buques de flores naturais, ou feitas com papel crepom, mas o que mais importava eram os excelentes almoços ou jantares, proporcionados pelos noivos.
Identificando os participantes desse casamento :
1ª – Mesa : da esquerda para a direita :
1ª – Fila : os saudosos (as) : Maria do Carmo(Carmen) Maçaneiro Cadorin, Tereza Dalri Cadorin, José Cadorin (Bepi), Francisco Cadorin, Adelina Demonti Cadorin, Jordão Cadorin, José Dell’Antonia, e Maria Cadorin ;
2ª – Fila : dois desconhecidos, Nilton Cadorin, cinco desconhecidas, as saudosas Claudia Gessele Cadorin, Camila Cadorin Eccher, e desconhecido ;
2ª – Mesa : da esquerda para a direita :
1ª – Fila : Padre Moisés Facchini( Leja), meus saudosos pais Benta Josefina Battisti Archer Tonini e Elísio José Tonini, os demais desconhecidos ;
2ª – Fila : todos desconhecidos.
Mesa dos casados :
Da esquerda para a direita : Os saudosos Geraldo Cadorin e Valério Cadorin, esposo, Catarina, esposa, o saudoso Padre Claudio Cadorin e a Sra Albertina Darós.”

Fotos e comentários: Godofredo L. Tonini. Postagem: Jonas Cadorin

Bento Dell Antonia

20160515_084704Bento Dell Antonia um dos primeiros proprietários de caminhão de Nova Trento. Morador do bairro Trinta Réis quando passava  com seu caminhão era admirado por todas a crianças. Na foto um flagrante de solteiro numa festa na igreja do Salto. Foi o fundador de um depósito  de extração de areia e terraplanagem.

Foto cedida por Depósito Dazhareia