HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO DA FAMÍLIA DARÓS

Recebemos do Leandro Luis Daros, a HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO DA FAMÍLIA DARÓS.

Era janeiro de 1878, inverno na Itália recém unificada. A Crise econômica e a fome (carestia) fizeram com que milhares de italianos imigrassem para Austrália, América do Norte e Sul. Umas dessas famílias foi a Darós, que deixou a “comune” de Serravalle (atual cidade de Vittorio Veneto, Treviso) a bordo do Vapor Portena em direção ao Rio de Janeiro. Na viagem de 21 dias a bordo do vapor cruzando o oceano Atlântico o capitão Robert escreve em seu diário de bordo: “o número embarcado nesse vapor é de 590, sendo 514 italianos e 76 austríacos. Duranta a viagem morreram 9”.
 
O patriarca e aquele que dá origem à família Darós em Nova Trento é Andrea Daros, à época (1878) com 32 anos. Veio acompanhado de sua esposa Pasqua, então com 26 anos, e dos filhos: Francesco (5 anos), Antonio (2 anos), Antonia (3 meses) e Gio-Batto (3 anos). O nome Gio-Batto trata-se de apelido de Giovanni Battista. No mesmo vapor Portena também estavam o sogro e sogra de Andrea Daros e outras famílias tradicionais de Nova Trento (Cadorin, Sartori, Ferrari, etc).
 
Não é claro na história o motivo da família Darós (do italiano Da Ros) oriunda do Veneto ter se fixado em Nova Trento, já que a maioria dos imigrantes do Veneto foram para o sul de Santa Catarina. Acredita-se que na chegada ao Rio de Janeiro tenham sido incluídos em um grupo de Trentinos que seguia para o sul.
 
Abaixo foto da capa do diário de bordo do vapor Portena e dos nomes da família Darós. 
Registro FamiliaVapor Portena

Saudações,


Leandro Luis Daros

 

Gostaríamos de agradecer a todas as colaborações. Estamos sempre a disposição no e-mail alferont@gmail.com

 

QUI RIPOZA VEGILIO FANTINI – MAESTRO DI SCOLLA

20160403_093458 lápide rara que se salvou da campanha de nacionalização da língua italiana. Durante o período da segunda guerra mundial os imigrantes e seus descendes foram obrigados a falar português. Os cemitérios também sofreram modificações das lápides. Não se sabe como o cemitério do Baixo Salto escapou da perseguição pois até hoje ainda se encontram algumas lápides  com inscrições em italiano. Acima uma preciosidade: uma homenagem a um dos primeiros professores de Nova Trento que foi afastado do cargo porque ensina alfabetizava em italiano, a única língua que conhecia ! Diz a inscrição: QUI RIPOZA VEGILIO FANTINI – MAESTRO DI SCOLLA – MORTO LI 7 GIUGNO DEL 1903 – ANNI 54 ( AQUI REPOUSA VEGILIO FANTINI, PROFESSOR(MESTRE) DE ESCOLA. MORRREU NO DIA 7 DE JUNHO DE 1903 COM 54 ANOS). Em breve publicaremos algumas lápides por considerarmos importante manter a memória dos nossos antepassados e ajudar pessoas a localizar possíveis parentes ou sobrenomes que já são raros ou não mais existem em Nova Trento.

AMIGOS EM CLARAÍBA

20160611_164159-1 Maria Melsi, Odete Delcastagne (Delcastanhe) e  Nelson (?)  foto tirada no bairro Caraíba.                                                                                                                                                          Foto cedida por Inês Vicentini – 2016