CÂMARA DE VEREADORES GESTÃO 1989 – 1992

Sentados, da esquerda para a direita: Valdemir luiz Quaiatto, Pedro Piva Junior (Pedrinho, vice prefeito) Rogério ( Géio) Bottamedi, Janari piva .
De pé da esquerda para direita: Valentim José Marcolla, Alinor Gualberto Muller, Dorvalino Pereira, Jorge Bruno Ferraro, Saul José Rover (prefeito gestão 1989-1992), Sandra Eccel Rachadel, , Luiz José Borgonovo (Gioaba).

Fonte: Informativo da paróquia São Virgílio, janeiro 1989 – Postagem Jonas Cadorin

PREFEITURAS DE NOVA TRENTO

A PRIMEIRA SEDE DO PODER ADMINISTRATIVO FUNCIONOU NUM DOS PRÉDIOS À DIREITA NA FOTO DA PRAÇA GALILEU GALILEI (RENOMEADA PARA PRAÇA GETÙLIO VARGAS DURANTE A CAMPANHA DE NACIONALIZAÇÃO DA LÍNGUA NA DECADA DE 1940)
COM A EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DE NOVA TRENTO EM 8 DE AGOSTO DE 1892 A PREFEITURA FOI TRANSFERIDA PARA A PRAÇA DA BANDEIRA, ATUAL PRAÇA DEL COMUNE, ONDE HOJE ESTÁ SITUADO O PONTO DE TÁXI. NOS FUNDOS DA PREFEITURA É POSSÍVEL VISUALIZAR O ANEXO ONDE FUNCIONAVA DA DELGACIA E A CADEIA PÚBLICA.
NA DECADA DE 1970 FOI CONSTRUÍDA A NOVA SEDE DA PREFEITURA SAINDO DA ESQUINA PARA OS FUNDOS DA PARTE CENTRAL DA PRAÇA
11 DE AGOSTO FOI INAUGURADA A ATUAL SEDE DA PREFEITURA SEGUINDO A ARQUITETURA DE PRÉDIOS DA REGIÃO DO TRENTINO
O ENTÃO GOVERNADOR LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA E PREFEITA SANDRA REGINA ECCEL OFICIALIZANDO A INAUGURAÇÃO DO PRÉDIO
GRUPO FOLK NEA TRIDENTUM, DE NOVA TRENTO

Postagem Jonas Cadorin. Fotos do arquivo pessoal e do jornal O Município do dia 13.08.2007

JOGO DE MORA – BAIRRO TRINTA RÉIS – 1950

2019-06-17 09.54.45

Da esquerda para a direita na frente, com a mão enfaixada os Sr. Vicente Ceccato, Aprígio Bottamedi, Alcides Dell’Antonio, desconhecido, o  Sr. usando chapéu desconhecido, e os saudosos Srs. Giácomo Migliorini (Giacomin) e Virgílio Eccel.Atrás, Sr.desconhecido, o outro Sr. possivelmente membro da família Battisti. Registro fotográfico de jogo de mora ocorrido durante os festejos do padroeiro do Bairro Trinta Réis – Nova Trento – SC., São João Batista (São Joanin), na década de 1950. Geralmente no final das festas ocorria esse jogo, os jogadores sempre bem animados e ainda sempre bem vestidos eram uma atração à parte.                                                                                        “O jogo da mora, ou apenas mora, é uma tradição com origem na região italiana do Vêneto e levada para o Brasil pelos imigrantes. A palavra significa “morra!”.
O jogo tradicionalmente é realizado em língua vêneta ou talian e se resume em acertar o número do conjunto de dedos da mão que os contendores sucessivamente apresentam sobre uma mesa, batendo os dedos sobre ela.
A dificuldade é a rapidez com que isso se desenvolve, o que gera sempre um grande entusiasmo em todos que se traduz em exclamações e impropérios em alta voz.
Os jogadores vão apresentando os dedos e gritando os números supostos até um deles acertar a soma. Se um jogador acerta o número deve acusá-lo dizendo mora, senão o ponto não é marcado e o adversário prossegue.
Se mais de um acerta, também não se marca ponto. Se os jogadores são experientes o jogo pode se tornar violento e causar ferimentos nos dedos, pela força e velocidade empregadas e pela sucessão de inúmeras batidas.
O jogo exige grande agilidade manual, reflexos apurados e grande atenção e vivacidade mental, entre o veloz movimento dos dedos e a incessante pronúncia dos números. A pontuação necessária para a vitória é convencionada previamente, variando de 12 a 21 pontos. Pode haver um ou dois juízes, e disputado individualmente ou em parcerias.” Fonte :www.wikipedia.com.br  Foto e comentários, Godofredo L. Tonini . Postagem : Jonas Cadorin

 

Apresentação de Natal no Santuário Nossa Senhora do Bom Socorro, década 1980

Nova Trento

 

Nova Trento – Década de 1980

Na imagem, encenação de Natal no Santuário Nossa Senhora do Bom Socorro. O costume era inspirado no Canto da Estrela, tradição tirolesa trazida para Nova Trento pelos imigrantes.
Representavam os Reis Magos: Guilherme Daros, Eloi Tel, Antônio Cipriani.
Antes das apresentações, os trajes e ensaios eram realizados na casa do Senhor Antônio Cipriani (Toni).
Não aparecem na foto os músicos e coro, mas faziam parte, Virgílio Tomasi, Moisés Cipriani, Artur Sgrott, Rinaldo Eccel, Ludovico Cadorin, João Cadorin, Dimas Tel….
Outras pessoas da comunidade também acompanhavam as apresentações.

Colaboração: Alexandre Aldo Cipriani