CASAMENTO DE MARIS STELLA CADORIN E JOSÉ DINIS DALRI

2019-09-27 14.49.09

Maris Stella, com um ramalhete de camélias. A camélia também era conhecida como a flor da fidelidade. A daminha de honra é  Zita Busnardo. Os casamentos, em geral eram celebrados aos sábados antes do meio dia. em seguida era servido o almoço e a festa se prolongava até o inicio da noite. a falta d energia elétrica fazia com que as festas terminassem cedo por este motivo aproveitavam a luz do dia. Ao fundo a antiga porta de madeira da igreja matriz com as iniciais da Companhia de Jesus – Jesuítas: AMDG (Ad Maiorem Dei Gloriam – Para a maior gloria de Deus)

Colaboração: Sidnei Zanella. Postagem e comentários: Jonas Cadorin

Anúncios

HOJE É DIA DE SÃO VIGÍLIO, BISPO MÁRTIR – PADROEIRO DETRENTO E NOVA TRENTO

20160704_103949

Bispo mártir de almas mil, Te veneram no Brasil. Nova Trento em ti confia… diz o hino. Vigilio nasceu em Roma no ano de 335, estudou,  foi sacerdote, bispo e  missionário na região do norte da Itália onde foi morto a pauladas e golpes de tamancos(slgamei, socoi) pelo moradores da Val de Rendena que cultuavam o deus Saturno.(San Vigilio provocou a ira dos  moradores ao celebrar uma missa num local onde havia uma estátua de saturno que ele arremessou no rio Sarca. algumas estatuas o apresentam com um tamanco na mão, lembrando seu martírio. Canonizado, San Vigilio é o santo patrono da Arquidiocese de Trento e da diocesse de Bolsano-Bressanone. A devoção ao santo foi trazida pelos imigrantes tiroleses/trentinos que colonizaram Nova Trento e que o aclamaram como padroeiro da Paróquia de São Virgílio (nome foi traduzido para o português). sua festa é comemorada no dia 26 de junho. Em nova Trento os nascidos nesta data recebiam o nome do santo. Muitos são os Virgílio de Nova Trento. Nas novenas preparatória de sua festa uma das procissões  era ados “Virgílios” onde o santo era levado por homens e meninos com o seu nome.

Foto e postagem Jonas Cadorin. estátua da igreja matriz de Nova Trento

 

ORDENAÇÃO SACERDOTAL DE VALOIS DALCASTAGNÉ – 1975

 

2019-05-27 11.48.50

Ordenação sacerdotal de Valois em 19 de abril de 1975 na igreja matriz de Nova Trento. Da esquerda para a direita: Laura, Inácio, Vicente, Terezinha, Valois, Ir. Melita, Luiz, Catarina, Hermínio.(O pai de Valois, José Dalcastagné, casado com Rosália Vicentini Dalcastagné, na ocasião, estava hospitalizado. Dona Rosália faleceu com 103 anos! Na data dessa postagem só a Srª Laura vive e reside no bairro de Claraíba.

Foto: Valois Dalcastagne. Postagem: Jonas Cadorin

 

 

Igreja do Sagrado Coração de Jesus -Centro de Nova Trento

306825_525656784128741_1144288403_n

Igreja do Sagrado coração de Jesus no centro de Nova Trento. Hoje no local está construída a Igreja matriz  São Virgílio.                                                                                            Foto: Eugênio Martini. Postagem: Jonas Cadorin

CONSTRUÇÃO DA IGREJA MATRIZ SÃO VIRGÍLIO

67822_528085207219232_823943966_n

Igreja Matriz, são Virgílio, construída em dois anos 1940 a 42, aconteceu após negociações entre os maradores e os padres jesuítas. O problema se deu por causa do padroeiro. Os jesuítas tinham uma igreja dedicada ao sagrado Coração de Jesus e os imigrantes havia erigido uma igreja na atual praça Getúlio Vargas dedicada a São Vigílio, bispo mártir padroeiro de Trento. Após intervenção do bispo ficou acordado que o padroeiro seria são Virgílio(Vigílio) e a igreja foi construída sobre o terreno da antiga igreja do sagrado Coração que foi demolida , restando porem no pátio frontal a estatua do Coração de jesus que foi destruída por um raio anos depois.( Igreja de são Vigílio também foi demolida e seus tijolos usados na construção do salão paroquial.)                       Foto: Eugênio Martini. Postagem Jonas Cadorin

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CONGREGAÇÃO MARIANA – NOVA TRENTO – SC – 1901

43266169_508283219641387_6531217790475436032_n

“Registro fotográfico realizado diante da porta lateral da Igreja Matriz de São Virgílio, da cidade de Nova Trento SC.
da esquerda para a direita, na frente o Sr. Zelino Hoffmann, Padre José da Poian e Almir Feller, todos falecidos, atrás da esquerda para a direita, o saudoso Sr. Arthur Sgrott, os demais desconhecidos. Todos estavam usando a fita de congregado mariano.
O saudoso Sr. Almir Feller, faleceu vitima de um acidente de trabalho, acontecido na curva do Morro do Canhete ou da Cascata, onde hoje se localiza a Ferraria do Sr. Marinho Erbs, trabalhava com uma máquina de esteira, e esta caiu sobre ele, soterrando-o, era funcionário da nossa Prefeitura Municipal.CONGREGAÇÃO MARIANA – NOVA TRENTO – SC – 1901
A Congregação Mariana é uma associação pública de leigos católicos. É formada por cristãos católicos que procuram seguir melhor o Cristianismo através de uma vida consagrada à Mãe de Deus, a Virgem Maria.
A Congregação Mariana, no Brasil foi fundada na Bahia em 1583, pelo Beato José de Anchieta.
Em 1901, segundo o relato do Padre Arcângelo Ganarini, que esteve visitando o município de Nova Trento – SC., após 16 anos de sua saída, já estava implantada a Congregação Mariana, formada por jovens neotrentinos, hoje, não existe mais.”
Foto e comentário: Godofredo Tonini.   Postagem Jonas Cadorin

ROSA DEBORTOLI

 

2018-09-21 14.29.18

“Registro fotográfico da saudosa e querida Sra. Rosa Debortoli, que por muitos anos trabalhou na Casa Paroquial consagrada ao Sagrado Coração de Jesus, da Paróquia São Virgílio, do município de Nova Trento – SC., cuidando da alimentação, limpeza da casa e roupas, dos padres jesuítas que lá residiam, como também, cuidava da limpeza da Igreja Matriz, dos preparativos para a celebração das santas missas dominicais e semanais, além de tocar diariamente os sinos, anunciando os horários das missas, a hora do Ângelus, pontualmente as 18h00, além de tocar os sinos da Igreja Matriz, quando os temporais nos ameaçavam com fortes ventos e ensurdecedores trovões. Ajudou muito os seminaristas que estudavam no antigo Seminário de Nossa Senhora de Fátima, que funcionava nas antigas instalações da Casa Paroquial, localizado ao lado da atual Igreja Matriz. Tinha um ajudante chamado de Lourenço que usava sempre um chapéu de preto, nos assustava muito, ajudava-a a bater os sinos, cuidava da chácara e da pequena horta que os padres mantinham. Com o seu exemplo de trabalho e dedicação, a Sra. Rosa Debortoli, escreveu uma bela história, que ficara para a posteridade, a ela a nossa eterna gratidão. Devido a sua altura, a chamávamos carinhosamente de Rosona.”
Comentário: Godofredo L. Tonini
Fotografia – Acervo : Miria Mann, postagem: Jonas Cadorin