2001 – PRIMEIRA MISSA CAPELA MORTUÁRIA

Celebração da primeira missa em 2001, Pe. José Wolmer, sobre os fundamentos da atual capela mortuária localizada ao lado do cemitério municipal de Nova Trento. Ante dessa época os velórios aconteciam nas residencias dos falecidos , a missa de corpo presente celebrada na igreja matriz e o cortejo seguia a pé até o local do sepultamento.

Foto e postagem: arquivo pessoal Jonas Cadorin

1944 – REGRAS PARA AS BATIDAS DOS SINOS DA IGREJA DO BAIXO SALTO

No alto da torre da igreja do salto foram colocados três sinos(grande, médio, pequeno) para chamare os fiéis para as funções religiosas. As batidas seguiam um regramento que caracteriza cada chamada.

Regras sobre o toque dos sinos (nota do transcrevente, Pe Jose Da Poian)

Ás Ave Marias

De manhã ao amanhecer

Á noite ao entardecer

Ao meio dia  ás 12 horas

Aos Domingos e dias de Festa

Primeiro sinal o sino toca para chamar os fiéis à devoção: primeiro sinal às 2 horas (14h00)

Segundo sinal às 2 e meia

Terceiro sinal às 3 horas

NB. Doutrina das crianças às 2 horas e meia.

Visita do Padre

Sino: toca-se os dois sinos menores a chegada do Padre.

 Ás Ave Marias: tocam-se os três.

Para missa: tocam-se os sinos na hora combinada todas as vezes com o padre.

Enterro (sino dos mortos):

Finados adultos homens: com o sino menor três badaladas pausa …;depois duas com o segundo , alternando mais ou menos por espaço de 5 minutos.

Para mulheres: duas badaladas no menor e três do maior.

Para crianças: (5 anos para baixo) só badaladas no menor pausadas continuadas por 5.minutos”  

Fonte: Crônica dos principais acontecimentos que se dão na valada  do Baixo Salto nas visitas do sacerdote 1943 a 1963. Foto: Jonas Cadorin

PIA UNIÃO S. ANTONII PATAVINI – IGREJA DO BAIXO SALTO – NOVA TRENTO

Medalha da Pia União de Santo Antonio de Pádua. A Igreja do Baixo Salto é dedicada a Santo Antonio e tem uma dedicatória em latim escrita na sua torre. No alto da cruz: JHS : Jesus Homini Salvator (Jesus Salvador dos Homens). Na parte inferior da cruz um dos símbolos da Ordem Franciscana onde aparece um braço de um frade cruzado com o braço de Cristo com a mão perfurada. No centro : S. Antoni + ora pro nobis ( Santo Antonio ora por nós) . Braço esquerdo da cruz: PIA UNIO (Pia União); no braço direito: S. ANTONII PATAVINI

No braço superior da cruz: ECCE CRUCEN DOMINI(Eis a cruz de Deus); No braço Inferior: 100 DIES INDULG. LEO XIII 21 MAI 1892: cem dias de indulgencia decretadas pelo papa Leão XIII em 21.05,1892. No Centro: VINCIT LEO DE TRIBU JUDA: venceu o leão da Tribo de Judá. No braço esquerdo: FUGITE PARTES ADVERSAE: Fugi forças inimigas! RADIX DAVID ALLELUIA A raiz de David! Aleluia !

Dos vários milagres atribuídos a Santo António passados em Portugal, destaca-se o milagre ocorrido em Santarém onde Santo António intervém para defender uma mulher das tentações do demônio, entregando-lhe um pedaço de pergaminho onde estava escrita uma pequena oração de exorcismo:
Eis a cruz do Senhor! +Fugi forças inimigas! +
Venceu o Leão de Judá, + A raiz de David! Aleluia !

Medalha que pertenceu a senhora Angélica Cadore Adami, foi encontrada na reforma da casa onde morava no bairro salto e que hoje é de propriedade de Jonas Cadorin

1942 – ALMA BATTISTI – CAPELA DE SÃO JOANIN

CAPELA DE SÃO JOANIN (São João Menino)- BAIRRO TRINTA RÉIS – NOVA TRENTO – 1894

Quando Giovani Battista Ceccato imigrou para o Brasil mais especificamente para Nova Trento, já estava com idade avançada para a época, ou seja, 63 anos, nasceu no ano de 1812.
Muito religioso e esperançoso ao sair de sua localidade Roncegno – Trento – Itália, para o Brasil, prometeu para os seus familiares que se chegassem ao Brasil sãos e salvos devido a perigosa viagem de navio que fariam para chegarem em solo brasileiro, construiria uma pequena Capela para o seu santo de devoção que era São Joanin (São João Batista criança, representado com um cordeiro, fazendo alusão as palavras de Jesus: Eis o Cordeiro de Deus). Conforme o prometido, cumpriu a sua promessa.
CRONICA DOS JESUÍTAS : Para comprovar a construção da Capela de São Joanin, a Cronica dos Jesuítas que exerciam suas funções sacerdotais no município de Nova Trento – SC., em 1894, consta o seguinte :
Domingo dia 01 de julho de 1894 foi benta a nova capela do lado de la do rio em Trinta Réis. Em honra de São João Baptista Menino – São Joanin. O Pe. Afonso Parisi SJ celebrou a primeira missa e o Pe. Ângelo Sabbatini SJ a segunda.
DETALHE : O rio citado na Crônica dos Jesuítas é o Rio do Braço, provavelmente o cronista à época quis facilitar a localização da Capela para conhecimento da população.
FONTE INFORMATIVA : A Crônica dos padres jesuítas, juntamente com a fotografia, foram encaminhadas pelo Padre Flavio Feller.
FOTOGRAFIA DA CAPELA : Relíquia fotográfica realizada ano de 1942, da Capela de São Joanin, construída pelo imigrante italiano Giovani Battista Ceccato na década de 1880, que ficava onde hoje situa-se o Oratório do Calvário.
Sra ALMA BATTISTI : Nessa fotografia também está a Sra Alma Battisti, provavelmente tinha tomado a primeira comunhão, conforme os trajes que estava usando. O local da fotografia tirada situa-se onde seus pais residiam, bem próximo do Oratório do Calvário.
A Sra Alma Battisti é irmã da saudosa Sra Gaudência Battisti Ruberti e filha do saudoso casal Sr. Francisco Battisti e Valeria Ceccato Battisti.

Fonte: Godofredo L. Tonini. Postagem Jonas Cadorin

PEDREIROS DE NOVA TRENTO – IGREJA DE SÃO SEBASTIÃO – BETÂNIA -ANGELINA

Se hoje Nova Trento é conhecida como a ” cidade dos pedreiros” é no passado que este titulo foi conquistado. Quando a crise da agricultura e da falta de terrenos propícios para o plantio para atender famílias numerosas, Nova Trento vê surgir uma alternativa que até então estava dormente: a construção civil. Se até então não haviam feito uso destas habilidades é por que a oferta abundante de madeira justificava a ausência de casas de alvenaria. Com as casa se deteriorando e sendo consumidas por cupins ao longo dos anos, as novas foram sendo edificadas de alvenaria, a começar pelas igrejas. A construção de igrejas projetou a mão de obra neotrentina para além de suas fronteiras. Na foto acima vemos a construção da igreja, administrada pelos padres Franciscanos, na localidade de Betânia, município de Angelina, entre 1953 a 1955 . Pedreiros, carpinteiros, serventes, pintores, assentadores de ladrilho hidráulico, cozinheiros, uma empreiteira onde cada um sabia fazer o seu papel com maestria, guiados por um pedreiro mais experiente que executava ( quando não desenhava e fazia o cálculo estrutural) a planta da obra contratada. Na foto acima o grupo tinha como responsável o Sr. Salvador Cadorin, filho do respeitado mestre construtor Francisco Cadorin . Não temos como identificar os pedreiros na foto. A foto faz parte do álbum de família do falecido Salvador Cadorin. Um registro que ele fazia questão de guardar e mostrar como prova da habilidade dos pedreiros neotrentinos. Trabalho de equipe. Trabalho de amigos, acima de tudo. Os anos se passaram a obra permanece. Nova Trento e todas suas empreiteiras e construtores agradecem a herança deixada.
O frei Franciscano aparece de preto no centro da foto, no andaime, ladeado pelos oito construtores (muratori). O homem de branco, de paletó , supomos que seja alguém ligado a administração da obra.
Salvador Cadorin aprece no lado direito da escada, com a mão no bolso.

Postagem: Jonas Cadorin. Fotos: álbum família Salvador Cadorin, site da paroquia de Angelina.

INTERIOR DA IGREJA MATRIZ DÉCADA DE 1970

A igreja matriz de Nova Trento foi construída em dois anos – 1940 a 1942 (ver outras postagens relacionadas a categoria Centro e Igreja neste site) passou por uma grande reforma na decada de 1970. Os trabalhaos foram coordenados pelo Sr. Didi Feller. A mão de obra foi cedida pelas famílias que destinavam um ou dois filhos para compor as equipes de trabalhos diários. Na foto é possivel observar o púlpito, local onde o padre fazia o sermão. Na falta de microfones o púlpito facilitava que as pessoas ouvissem a prédica e era um momento de aproximação do padre com os fiéis . A missa era celebrada em latim e costas para o povo em reverencia ao santissimo. Na frente, onde tem o altar mor, havia uma espécie de cerca que separava este local tido como mais sagrado dos outros espaços da igreja. Quando foi construida a igreja era iluminada precariamente e na nave central é possivel observar janelas no formato de rebatedores de luz solar para dentro do espaço. A pintura na aprte central , e as inscrições em latim do , no teto, foram retiradas. Os altares foram mantidos pois compunham o ornamento de cada uma das extremidades da cruz que compoe o traçado arquitetonico da igreja.(Infelizmente a igreja perdeu , recentemente, um dos altares, foi retirado. Hoje quando se entra na igreja se vê o altar mor no fundo, um alltar lateral esquerda e uma porta na lateral direita, quebrando a harmonia entre três belíssimos altres entalhados em madeira, obra únicas.
Postagem: Jonas Cadorin

VALSUGANA – 1ª COMUNHÃO -anos 1980

Quadro que se encontra na sacrestia da Igreja da Valsugana. Neocumungantes fazem posam para foto com a catequista ( ? ) e o celebrante, vigário  Padre jesuita Otmar Jacob Schwengber. Mesmo sendo uma comunidade de interior é possivel observar a preocupação dos pais em paramentar devidadmente seus filhos e filhas para o evento. Os meninos de gravata e calça social, as meninas com coroa e véu, como se pequenas noivas. Reprodução da foto e postagem: Jonas Cadorin