1950- FAMÍLIA BATISTTI – SAUDADE GRANDE


RETRATO DA FAMÍLIA BATTISTI : Registro fotográfico realizado na localidade Saudade Grande, Nova Trento, dos familiares dos saudosos, Sr. Celeste Battisti e Sra Lucia Piffer Battisti, no final da década de 1950.
CASA : Era uma casa de madeira, muito bonita e aconchegante, a conheci em minhas constantes visitas ao interior do município.
RADIO APARECIDA : Na primeira vez que estive visitando seus moradores, ao entrar na sala de visitas da casa, vi um radio da famosa marca SEMP, encima de uma prateleira pequena, enfeitada por uma bela toalha e sintonizado na Radio Aparecida em ondas curtas, quando o saudoso Padre Vitor Coelho de Almeida, nesse momento, estava dando a tradicional e diária benção de Nossa Senhora Aparecida, sempre as 15:00 hs., para mim, uma lembrança inesquecível, fatos da vida real”

Colaboração: Gododofredo L. Tonini. Postagem: Jonas Cadorin

1972 – DESFILE SETE DE SETEMBRO

DESFILE 07 DE SETEMBRO – 1972 – Colégio professor Francisco Mazzola

1º – Da esquerda para a direita na frente : Rosemira Lobo (Rose), Tarcísio Facchini (Ico), Maurilio Mazzola, Pedro Montibeller, Enio Feller (Correca), Ismar Voltolini, Oscar Archer (Oscarzinho), Alceu Dalbosco, saudoso Ernani Feller, Miralci Valle, José Moacir Rachadel (Leco), Aldo Hartke e Ana Maria Sgrott.

2º – Da esquerda para a direita atrás : Marcos Rachadel (Paco), Saulo Voltolini, Godofredo Luiz Tonini (Godoi), Deda Ceccato.

3º – Da esquerda para a direita agachadas : Clarinda Tomasi, Maria Elizabete Archer (Bete) e Vera Valle.

Registro fotográfico realizado no pátio do antigo Colégio Normal Professor Francisco Mazzola, hoje nominado de EEB Francisco Mazzola, no dia 07 de Setembro de 1972, após o desfile do dia 07 de setembro.

Estávamos vestidos de preto e branco, pois fazíamos parte da bateria que dava o ritmo da marcha para os demais estudantes.

As alunas faziam parte da comissão de frente do colégio, eram destaques. Dos alunos (as) fotografados apenas 05 permanecem em Nova Trento, um faleceu, os outros 14 saíram da cidade em busca de trabalho, infelizmente perdemos excelentes profissionais.

Foto e comentários Godofredo L. Tonini. Postagem: Jonas Cadorin

MANOEL BARAUNA e JOSEFINA P. BARAUNA

Combateu em Monte Castelo, Itália durante a 2ª Guerra Mundial. No retorno a Nova Trento exerceu a profissão de carteiro. Na lápide uma homenagem da Força Expedicionária Brasileira com seu escuto com que lembrava o lema: A COBRA VAI FUMAR
Dona Josefina *10.02.1918 + 23.01.2007

Foto: lápide do cemitério central de Nova Trento. Postagem: Jonas Cadorin

*1930 + 2007 – MARTHA FREHNER

Matrha( a direita) com uniforme de cozinheira na casa da família Renaux em 1953, aos 23 anos.
Filha de imigrantes suíços de Appenzell, nasceu em 1930. Em 08 de agosto de 1953 começou a trabalhar como cozinheira na casa da família Renaux de Brusque. Segundo ela foi ali que aprendeu a arte de cozinhar que depois a tornou famosa. Na década de 1960 casou com Helmuth Wilke e veio morar em Nova Trento, distrito de Claraíba. Para ajudar na economia doméstica organizava os buffet de festas de casamento, produzia bolachas, cucas e doces da tradição alemã e suíça em casa. Em 1991 a filha Ruth e o esposo Moises Tambosi, começaram a ajudar na produção e venda de porta em porta dos doces por ela produzidos. Do sucesso das vendas veio a ideia de abrir um espaço físico temático para atender um público maior. No distrito de Claraíba, as margens da rodovia Gentil Archer, foi dado o início da obra em 1999. No dia 10 de março de 2001 foi inaugurado o chalé estilo suíço que lembrava a casa de onde tinham vindo os pais de Martha na Suíça. Martha faleceu aos 87 anos em 2007.
Martha é a 1ª da direita para a esquerda, junto com as colegas de trabalho na cozinha industrial da fábrica Renaux de Brusque
Martha defronte a café que leva seu nome com as netas Emília e Giovana
Martha Frehner’s Haus, inaugurado em 10 de março de 2001

Fotos: arquivo família Martha Frehner, informações obtidas no Instagram do Café

DÉCADA DE 1960- IRMÃ CECILIA BERTOTTI (SABINA MARIA)

Cecilia era filha de Alberto(Tino) Bertotti e Francisca Bottamedi Bertotti. Ingressou ainda menina no juvenato das Irmãzinhas da Imaculada Conceição em Nova Trento. Na foto ela veste o hábito antigo das irmãs com a fita azul sobre o preto do hábito. Quando professou os votos religiosos mudou seu nome para Irª Sabina Maria. a troca de nome era uma prática de antes do concílio Vaticano II. A justificativa era mostrar o rompimento da religiosa com o a vida que deixava para trás. Ao fundo a estátua de são José , patrono da congregação.( Na família de Cecilia eram em doze filhos, dez homens e duas mulheres. É desta família que são os padres Luís e Pe. Egídio. A família vivia da agricultura e residia no inicio da estrada que leva o bairro salto, próximos ao oratório de são Roque.

Irmã Cecilia(Sabina) em ação apostólica com crianças em São Paulo

Foto: arquivo família Bertotti. postagem e comentário: Jonas Cadorin

1975 – CAPELA DE SANTO ANTÃO, BELA VISTA – DIVISA DE BRUSQUE com NOVA TRENTO

Festa da capela de de Bella Vista, próxima ao Taquaruçu, por volta de 1973 (capela hoje está em ruinas) na localidade morava Anselmo Motta e família citados na postagem anterior. ( Não temos a identificação dos presentes na foto. Se alguém consegue identificar os presentes pedimos a gentileza de enviar para o email jonascadorin@gmail.com)

“Essa foto é de 1975, no casamento de prata dos meus tios Hercílio e Vitória de Gasperi Pianezzer. Junto com toda a família. O filho do Ancelmo Motta, Isidoro, era cunhado do Hercílio.” Contribuição de Willian Pianizzer

Foto: Juarez Luiz Pezzini, postagem Jonas Cadorin