CORONÉIS

Em agosto de 1831, na regência do padre Feijó foi criada a Guarda Nacional com o objetivo de defender a constituição e manter a ordem local numa época em o Brasil ainda tinha exército. As patentes da guarda Nacional era concedidas de acordo com as posses do pretendente ao cargo. Na nossa região os coronéis,  em geral, eram grandes comerciantes e ou pessoas que pudessem pagar pelo título. ( Além de coronel, havia a patente de capitão, tenente coronel, tenente). Os coronéis exerciam o poder político e econômico local. Das famílias dos coronéis saíram as primeiras lideranças políticas. Em Nova Trento o comerciante  coronel Henrique Carlos Boiteux ( lê-se Boatê) foi o responsável pelo processo de emancipação política em 8 de agosto de 1892. Foi o primeiro superintendente da cidade.foto coronéis Nova Trento

Armazém Galloti & Boiteux – Nova Trento

Nova Trento Boitex Galloti

 

A foto retrata o interior do Armazém Galloti & Boiteux (ampliando a foto é possível ver a placa com o nome no centro da foto, próximos relógios). Um detalhe importante: sentado próxima a escada, no lado de dentro do balcão, da esquerda para a direita o Coronel Henrique Carlos Boiteux. Esta casa de comércio estava localiza em frente do atual supermercado Bittencourt.

Um olhar atento a cada detalhe desta foto preciosa mostra que o fotografo, com poucos recursos de edição de imagem, fez duas fotos e as uniu dando uma ideia clara de perspectiva que revela como era diversificada a oferta de produtos num comércio local que dependia de importações que eram possíveis com a parceria com o comerciante e Coronel Benjamin Galloti de Tijucas. Panelas, bules chaleiras, chalés tecidos lamparinas, lampiões, ferramentas, querosene, pólvora… quase tudo que se precisava podia ser encontrado neste comércio.

O grupo de pessoas no lado esquerdo mostra um grupo de tropeiros ,provavelmente lageanos, que comercializavam queijo, carne seca e animais na cidade.

 

Colaboração: Regina Boiteux

Texto: Jonas Cadorin