1969 – GINÁSIO ORIENTADO PARA O TRABALHO GOT

Registro fotográfico de uma turma de alunos e suas professoras realizado no ano de 1969, defronte ao antigo Convento das irmãs da Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição.
Caso alguém consiga identificar os alunos e alunas, pedimos a gentileza de comentar no balão de diálogo no lado superior direito da foto.

Fonte: Acervo fotográfico : Geltrudes Tirloni, postado por Godofredo L. Tonini em sua pagina no Facebook.

JOÃO E OTILIA M. TOMAZONI

OTILIA M. TOMAZONI * 23-11-1899 + 02-08-1983 JOÃO TOMAZONI *07-06-1896 + 15 -11-1965 (O sobrenome Tomazoni também aparece gravado como Tomasoni em outras lápides) Casal da primeira geração, filhos de imigrantes. Na lápide o sobrenome da dona Otília está abreviado. Se alguém souber informar faremos a citação( Interessante notar que era cultura da época quase que suprimir o sobrenome das mulheres quando casavam. poucos são os registros onde o sobrenome delas é gravado nas lápides). O Objetivo de publicarmos fotos destes casais mais antigos é salvaguardar a o patrimônio fotográfico bem como homenageá-los. enquanto forem lembrados continuam vivos nas nossas memórias. Pena que nem todos os túmulos tem registros fotográficos. O mais antigos , com certeza, por não terem feito nenhuma fotografia em vida.

Fonte: cemitério central Nova Trento. Postagem : Jonas Cadorin

1970 -1995 AÇOUGUE DO FÁBIO

24,09,1991- Isidoro Maçaneiro e Saulo Cadorin, açougueiros do açougue do Fabio exibindo um boi que depois de abatido pesou 34,5 arroubas.( O boi pertencia ao sr… Capraro, do bairro Vígolo. Bois como este eram usados em serviços agrícolas e quando velhos eram vendidos aos açougues)
A foto registra o prédio onde funcionou o açougue do Sr. Fábio Raulino, casado com Albertina Darós, localizado na rua João Bayer Sobrinho. O açougue marcou uma época em que se comprava carne bovina e suína em abatedouros – açougues- onde os animais eram abatidos nas primeiras horas da manhã e depois de esquartejados eram comercializados no balcão na parte da frente. Sr Fábio foi o último açougueiro a manter este tipo de de comércio.(Antes dele e contemporâneos a ele também havia o açougue do do Angelim Dalri, no Salto e do Érico Corsi, na subida do Moro da Cruz. O sr. Aprígio Botamelli, esporadicamente também comercializava carne ,de porta em porta de animais que abatia em casa). Importante lembrar que neste período o regramento sanitário para o abate e comercialização de carne ainda eram incipientes o que não impedia dos açougueiros de exercer sua profissão com responsabilidade zelando pela higiene possível para os padrões daquele tempo. Fábio era o açougueiro proprietário e responsável por uma equipe de profissionais como Isidoro Maçaneiro, Saulo Cadorin, Leodelides (Lidi) Michelli, Nestor Raulino, … Orsi(Zorro).
Foto realizada em nos idos dos anos dois mil quando o local já estava fechado. O ambiente era onde acontecia os abates era todo pintado de branco e uma calha com água corrente ajudava a higienizar o espaço e evitar a propagação de insetos como moscas. Ao lado do abatedouro fica a mangueira onde os animais a serem abatidos ficavam aguardando sua vez! O açougue do Fábio era também um espaço onde as crianças iam presenciar o fadigoso trabalho dos açougueiros.. Quando o boi fugia era uma festa!

Fotos cedidas por Saulo Cadorin. Postagem e comentários: Jonas Cadorin

EMÍLIO PIVA E ERMINIA MASERA PIVA

O casal Emílio e Erminia moradores do bairro Ponta Fina Norte também conhecido como “Maronhas”. Ele era filho de Pietro Piva, de Besenello, na atual província de Trento.
Erminia era descendente de Andrea Masera natural de Calliano, ocupante de um lote colonial no Ribeirão Espraiado.

Colaboração: Eliomar(Lili) Piva. Postagem e comentário: Jonas Cadorin

ÂNGELO MAURICI E LAURA TELL MAURICI

Ângelo Maurici nasceu em Nova Trento em 1900 e morreu em 1971. Foi o primeiro motorista de ônibus na cidade. Foi também o fundador da empresa Transporte Coletivo Maurici. Posteriormente a empresa foi vendida ao Sr. Atilio Batistotti da cidade de Brusque. No ano de 1992, quando Nova Trento comemorou cem anos de emancipação política, na gestão do prefeito Saul Rover, foi inaugurado o terminal rodoviário no bairro Besenello, que leva seu nome por indicação do então vereador Valdemir Luiz Quaiato.

Foto, colaboração de Roberto Maurici (Betão). Postagem: Jonas cadorin

1975 – DISPENSA DE INCORPORAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR

Cerimônia de dispensa de incorporação do serviço militar em 22 de abril de 1975, na prefeitura. Da esquerda para a direita: Luís Borgonovo, padre vigário Otmar, vereador Aires Rachadel, coronel chefe da 16ª região Guido Alfredo Heiler, tenente Widman Wallis Muller, prefeito Eurides Batistti, vereador Ari Sgrott. recebe o certificado o jovem José Antônio Sartori
Da esquerda para a direita: Célico Pascoal Mazolla padre vigário Otmar, vereador Aires Rachadel, coronel chefe da 16ª região Guido Alfredo Heiler, tenente Widman Wallis Muller, prefeito Eurides Batistti, vereador Ari Sgrott
Artur Sgrott, Gastão Córdova, prefeito Eurides Batistti
Juramento à bandeira dos dispensados. Elói Tell, responsável pela Junta militar Municipal segura a bandeira. Atrás, Luís Borgonovo(Goiaba)
Rogério Bottamedi recebe o certificado de dispensa das mãos do Cel. Guido Alfredo Heiler,

22.08.1974 – CHEGADA DO FOGO SIMBÓLICO

Atletas neotrentinos trazendo a tocha com o fogo simbólico passado defronte ao casarão da família Tell, Salamanca, Giacomelli…
Prefeito Eurides Batitti recepciona, juntamente com alunos do colégio, a tocha com o fogo simbólico que é homenageado na praça , defronte ao coreto municipal

Fonte: Relatório da Junta Militar Municipal de Nova Trento,1974. Arquivo do Centro de Documentação e Memória de Nova Trento. Postagem: Jonas Cadorin

19.11.1983 – PRIMEIRA BANDEIRA, OFICIALMENTE, INCINERADA NO MUNICÍPIO DE NOVA TRENTO

Dia da Bandeira na Praça da Bandeira (hoje praça Del Comune, ao lado do coreto municipal. Autoridades presentes :Eurides Battisti, Arthur Sgrott, prefeito e vice, Moacir Facchini, diretor do colégio, Janari Piva, diretor da escola Básica, vereadores, Célico Pascoal Mazzola , Cremilda Tridapalli, Eduardo Wilke, Godofredo Tonini e Adérico Dalri,, destacamento da policia local, grupo de escoteiros, professores> Destaque para a presença dos expedicionários Anselmo Piccoli e Manoel Barauna e Tenente Aldo Bruno de Lima. Evento organizado pela Junta do Serviço Militar municipal. Na foto os expedicionários
preparam a bandeira para incineração.

Momento em que foi executado o hino nacional.
Manoel Barauna, ateia fogo na bandeira que, já deteriorada pelo tempo de uso, foi incinerada conforme determina a legislação referente aos símbolos nacionais.

Fotos: Relatório da Junta do Serviço Militar de Nova Trento – Arquivo do Centro de Memória e Patrimônio de Nova Trento. Postagem e comentários, Jonas Cadorin