PEDREIROS- IGREJA EM RIO DO OESTE- 1957

Pedreiros de Nova Trento, entre eles o sr. Celestino Batistti, construíram , nos de 1956 a 1957, a igreja de alvenaria em substituição da igreja de madeira, dedicada a Santa Catarina, na localidade de TOCA GRANDE I

“O fundador da comunidade, Ernesto Ronchi nasceu na Província de Belluno, em 31 de maio de 1886. Veio para o Brasil com apenas 40 dias, em companhia dos pais, Luiz Ronchi e Maria de Lazzer, a avó materna e três tios, e instalaram-se na colônia Luís Alves, distrito de Blumenau.
Casado com Páscoa Stringari, Ernesto Ronchi trabalhou como sapateiro. Em 1918, com outros colonos, instalou-se em Toca Grande; construiu a primeira balsa para atravessar o rio (1925).
A comunidade que ele criou foi, mais tarde, dividida em outras: Toca Grande I; Toca Grande II e Toca Grande III (Alto Toca Grande). Colonizada pelas famílias Ronchi, Neguerbon e Moser, que enfrentaram animais selvagens e indígenas.
A capela de madeira que construíram era atendida pelos padres João Rolando e Baggio.
Ao lado da capela dedicada à Santa Catarina, os moradores construíram a escola, onde o professor Ernesto Ronchi lecionava em italiano.
As parteiras da comunidade eram Páscoa Stringari Ronchi e Ema Scoz.” In :http://www.riodooeste.com.br/historia/?id=institu/album&p=37&r=54&i=78

Igreja de
DCIM100MEDIADJI_0036.JPGco

FOTOS: Marcos Andre Pisetta, de Rio do Oeste. Postagem: Jonas Cadorin

Igreja Matriz de Angelina completa 73 ANOS


Dia 23 de maio de 2021, a atual Igreja Matriz dedicada à Nossa Senhora da Imaculada Conceição, localizada na cidade de Angelina-SC, completa 73 anos de sua inauguração. Com projeto arquitetônico elaborado pelo Pe. Vicente Schmitz as obras foram executadas pelos mestres pedreiros Francisco Cadorin e Domingos Darós, de Nova Trento-SC.

Findas as obras, há 73 anos, dia 23 de maio de 1948, o então Arcebispo de Florianópolis, Dom  Joaquim Domingues de Oliveira, a inaugura oficialmente com a respectiva bênção.

Segundo o Livro do Tombo da Paróquia de Angelina, à página 82: “milhares de padrinhos esperavam ansiosamente o momento em que as portas da nova igreja se abrissem pela primeira vez. E a surpresa foi grande. O interior representa um recinto sagrado e piedoso. Uma arquitetura atraente, magistral e impecável corre em linhas simples e inconfundíveis”.

Texto e foto: historiador Toni Jochem. Postagem: Jonas Cadorin

PEDREIROS DE NOVA TRENTO – IGREJA DE SÃO SEBASTIÃO – BETÂNIA -ANGELINA

Se hoje Nova Trento é conhecida como a ” cidade dos pedreiros” é no passado que este titulo foi conquistado. Quando a crise da agricultura e da falta de terrenos propícios para o plantio para atender famílias numerosas, Nova Trento vê surgir uma alternativa que até então estava dormente: a construção civil. Se até então não haviam feito uso destas habilidades é por que a oferta abundante de madeira justificava a ausência de casas de alvenaria. Com as casa se deteriorando e sendo consumidas por cupins ao longo dos anos, as novas foram sendo edificadas de alvenaria, a começar pelas igrejas. A construção de igrejas projetou a mão de obra neotrentina para além de suas fronteiras. Na foto acima vemos a construção da igreja, administrada pelos padres Franciscanos, na localidade de Betânia, município de Angelina, entre 1953 a 1955 . Pedreiros, carpinteiros, serventes, pintores, assentadores de ladrilho hidráulico, cozinheiros, uma empreiteira onde cada um sabia fazer o seu papel com maestria, guiados por um pedreiro mais experiente que executava ( quando não desenhava e fazia o cálculo estrutural) a planta da obra contratada. Na foto acima o grupo tinha como responsável o Sr. Salvador Cadorin, filho do respeitado mestre construtor Francisco Cadorin . Não temos como identificar os pedreiros na foto. A foto faz parte do álbum de família do falecido Salvador Cadorin. Um registro que ele fazia questão de guardar e mostrar como prova da habilidade dos pedreiros neotrentinos. Trabalho de equipe. Trabalho de amigos, acima de tudo. Os anos se passaram a obra permanece. Nova Trento e todas suas empreiteiras e construtores agradecem a herança deixada.
O frei Franciscano aparece de preto no centro da foto, no andaime, ladeado pelos oito construtores (muratori). O homem de branco, de paletó , supomos que seja alguém ligado a administração da obra.
Salvador Cadorin aprece no lado direito da escada, com a mão no bolso.

Postagem: Jonas Cadorin. Fotos: álbum família Salvador Cadorin, site da paroquia de Angelina.

CIRO ORLANDO CADORIN e ADELAIDE DARÓS

Ciro Orlando Cadorin, pedreiro, músico nas horas vagas, filho de Francisco Cadorin e Maria Gullini Cadorin
*09.01.1937 – + 06.09.1987
Adelaide Maria Darós Cadorin, costureira, uma das primeira, senão a primeira, a ter uma máquina de costura Overlok para costurar malha em escala doméstica. Voz soprano inconfundível, atuou nos corais da cidade, filha de José e Hercília Darós, residentes à rua João Bayer Sobrinho
*26.04.1940 – 17.09.1994

Foto: lápide no cemitério central – Nova Trento. Postagem: Jonas Cadorin

Imigrantes no Salto

quinteto-do-salto

Foto de um grupo de imigrantes que estabeleceu no bairro Salto, em Nova Trento. Os nomes estão identificados na foto. Data desconhecida.José Batistti archer foi prefeito nomeado em 1930 a1932

Acervo: Primo João Gilli
Reprodução: Edésio Gilli            Postagem: Jonas Cadorin

CONSTRUÇÃO DA ATUAL IGREJA MATRIZ DE NOVA TRENTO

406562_2640435297929_1466944132_31959779_1030572866_n[2]

Construção da igreja matriz de Nova Trento, iniciada no ano de 1940, finalizada em 1942, erigida com trabalho voluntário das famílias. No local havia a igreja Del Sacro Cuore di Jesú, se observa na frente do novo prédio o monumento com  a estátua do sagrado Coração de Jesus. Segundo me informou a falecida Henriqueta Sartori, a estátua foi destruída por um raio e  muitas pessoas levaram pedaços para casa  para guardar como relíquia.

Foto: arquivo Jonas Cadorin

Construção da casa de retiro dos padres jesuítas- Vila Fátima- Morro das Pedras – Florianópolis – Ano 1960

Pedreiros Nova Trento

De pé, da esquerda para a direita:  1-2-3- 4º Constante Cadorin-  5 – 6º Salvador cadorin – padre…, 8º Francisco Cadorin (mestre da obra), 10- 11º José (Bépi) Cadorin,12

Sentados 1-2-3-4-5-7-8-9- 10º Plácido Cadorin (casou e residiu na comunidade do Morro das pedras . São os Cadorin de Florianópolis)

Local: Construção da casa de retiros dos padres jesuítas- Vila Fátima-  Morro das Pedras – Florianópolis, sul da Ilha na década de 1960

A casa foi toda construída de blocos de pedras cortados no local Os senhores da esquerda e um sentado trazem as ferramentas (marreta e ponteiros utilizados no corte).

Havia carência de  equipamentos de segurança. Muitos trabalhavam descalços por falta de calçado que era um artigo caro na época. Usava-se mais para ocasiões especiais como missa, casamento…)

o, batizados, FESTAS…) Não havia betoneiras nem elevadores para transportar as pedras. Tudo era feito na base da força física .

Junto com os pedreiros experientes é possível ver a presença de jovens e uma criança que desde cedo aprendiam os segredos da arte de construir  fazendo com que Nova Trento fosse conhecida como  cidade dos pedreiros pela qualidade de sua mão de obra.

O grupo está alegre  na presença do padre e exibem  as bochas que utilizavam para descontrair nos momentos de folga.

Colaboração: Jonas Cadorin