1939 – Padre José Da Poian -Vigário

Ficha de registro de estrangeiros no período que antecedeu a 2ª guerra Mundial do padre José Da Poian, vigário , na época, em Nova Trento. Nas observações ficou registrado o ano em ele passou a residir no em Pelotas no Rio Grande do Sul(1941 a 1945)> Estrangeiro, em especial italianos e alemães foram vigiados durante o período da guerra.

Fonte: Godofredo L. Tonini. Postagem e comentário: Jonas Cadorin

1944 – REGRAS PARA AS BATIDAS DOS SINOS DA IGREJA DO BAIXO SALTO

No alto da torre da igreja do salto foram colocados três sinos(grande, médio, pequeno) para chamare os fiéis para as funções religiosas. As batidas seguiam um regramento que caracteriza cada chamada.

Regras sobre o toque dos sinos (nota do transcrevente, Pe Jose Da Poian)

Ás Ave Marias

De manhã ao amanhecer

Á noite ao entardecer

Ao meio dia  ás 12 horas

Aos Domingos e dias de Festa

Primeiro sinal o sino toca para chamar os fiéis à devoção: primeiro sinal às 2 horas (14h00)

Segundo sinal às 2 e meia

Terceiro sinal às 3 horas

NB. Doutrina das crianças às 2 horas e meia.

Visita do Padre

Sino: toca-se os dois sinos menores a chegada do Padre.

 Ás Ave Marias: tocam-se os três.

Para missa: tocam-se os sinos na hora combinada todas as vezes com o padre.

Enterro (sino dos mortos):

Finados adultos homens: com o sino menor três badaladas pausa …;depois duas com o segundo , alternando mais ou menos por espaço de 5 minutos.

Para mulheres: duas badaladas no menor e três do maior.

Para crianças: (5 anos para baixo) só badaladas no menor pausadas continuadas por 5.minutos”  

Fonte: Crônica dos principais acontecimentos que se dão na valada  do Baixo Salto nas visitas do sacerdote 1943 a 1963. Foto: Jonas Cadorin

PROCISSÃO – BANDA PADRE SABATTINI

Procissão da Congregação Mariana acompanhada pela Banda Padre Sabattini. Os congregados marianos exibem a fita (azul) com a medalha. Carregam um andor com uma imagem (suponho ser a do fundador do movimento, o jesuíta Jean Leunis – 1563). Na frente, com as vestes festivas para cerimônias especiais, o padre José Da Poian e dois acólitos(coroinhas ou como diziam no dialeto: theregoti). Mulheres(adultas e meninas) formavam uma fila(com vestidos que cobriam os braços e altura da saia bem abaixo do joelho, dentro da igreja sempre usavam um véu para cobrir a cabeça) e os homens(adultos e meninos) formavam outra fila (trajando o terno completo – paletó, gravata, colete, calça de ‘tergal” e sapato fetos nas sapatarias da cidade, sob encomenda. Muitos só tinham este terno que em geral havia sido usado para o casamento e que os acompanharia como roupa fúnebre). A data da foto é da década de 60, período em que o padre Da Poian atuou em Nova Trento.

foto: acervo da banda padre Sabattini. Postagem e comentário:Jonas cadorin